#6 O que é filosofia latino-americana?

Capa 4 botao-baixar-maiorbotao-assinar-maiorbotao-compartilhar-maiorbotao-twittar-maior

#6 O que é filosofia latino-americana?

Olá ouvintes do Hiperbólico!

Hoje iremos tratar de um tema às vezes ignorado pela academia e por escritores brasileiros, mas que mesmo assim é debatido e ainda resiste: a filosofia na América Latina!

Ainda há dúvidas em relação a existência de uma filosofia propriamente latino-americana e de sua respectiva tradição de racionalidade distinta daquela produzida na Europa e na América do Norte.

Uma das facetas da filosofia latino-americana é aquela que reivindica justamente a independência do pensamento latino-americano das matrizes de tradição européia. Uma filosofia que se configure como filosofia da libertação.

Tendo seu período de maior exposição e discussão nas décadas de 1970 e 1980, e até mesmo enfrentando a acusação de muitos de que a filosofia da libertação teria acabado, hoje temos a oportunidade de conhecer mais sobre esse assunto e aprofundar essa discussão que com certeza tornará possível uma visão mais lúcida sobre o pensamento que é produzido na América Latina.

Para debater conosco essas e outras questões relativas aos caminhos do pensamento latino-americano, seus desafios e perspectivas temos o prazer de contar com Lucas Lipka Pedron e Rafael Atahayde, dedicados pesquisadores do Instituto de Filosofia da Libertação, o IFIL e do NESEF\UFPR.

Agradecemos a escolha e desejamos a todos uma ótima escuta e boas reflexões sobre nosso continente!

Bora lá e até a breve!

Continuar lendo

#5 O que significa o trabalho? Reformas trabalhista e previdenciária.

Capa 2botao-baixar-maiorbotao-assinar-maiorbotao-compartilhar-maiorbotao-twittar-maior

#5 O que significa o trabalho? Reformas trabalhista e previdenciária.

Saudações a todos!

Bem-vindos ao 5.º episódio do Hiperbólico! No episódio de hoje vamos tratar do significado do trabalho na filosofia e na sociologia, bem como, conhecer um pouco sobre a importância do direito trabalhista.

Para muitos ele é o sinônimo mais apropriado para sofrimento, para outros de humanização, na idade média era castigo, na modernidade passou a ser visto como motor do capital e da riqueza. Nessa mesma época, também foram muitos os que o observaram como instrumento de alienação e exploração o que nos levou a encará-lo, na atualidade, com muita cautela e crítica por intermédio do direito. Mas hoje, no Brasil da crise econômica e das propostas de reformas trabalhista e previdenciária, o que ele significa?

Para tratar dessa e de outras questões, contamos com a participação mais que especial de Juliana Fischer de Almeida e de Talita Nascimento. A Juliana é advogada, procuradora da Câmara de Vereadores de Curitiba, também graduada, mestra e doutoranda em filosofia, já a Talita é socióloga, mestre em gestão urbana e professora da rede estadual de ensino. A elas se soma a participação especial de Geraldo Augusto Pinto, sociólogo, doutor especializado na temática do trabalho e professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná falando um pouco sobre seus livros na seção Catatau.

Mais uma vez agradecemos imensamente a escuta e o apreço!

Desejamos a todos um bom dia do trabalho e esperamos que o Hiperbólico possa ajuda-los a colocar as perguntas em movimento nesse cenário nacional tão turbulento.

Bora lá e até breve!

Continuar lendo

Anúncios

#4.A – A VERDADE É POSSÍVEL? (1.ª Parte)

Vitrine ep 4botao-baixar-maiorbotao-assinar-maiorbotao-compartilhar-maiorbotao-twittar-maior

#4 A verdade é possível? (1.ª Parte)

Olá caros e caras ouvintes!

Nesse episódio, dividido em duas partes, abordamos uma das questões que inquietam a humanidade desde a origem da consciência da relação com o mundo – A Verdade é possível? Para tanto, contamos com o Prof. Dr. Jorge Luiz Viesenteiner (UFES) e Prof. Maurício Bueno da Rosa, doutorando pela UFSC.

Nosso ponto de partida é o texto Sobre Verdade e Mentira no Sentido Extra-moral de Nietzsche, nos permitindo refletir a respeito da construção ocidental da noção de verdade, bem como de suas limitações – “É possível, afinal, sermos imparciais ou objetivos?”, “Qual a relação entre verdade e convenção?”, “A verdade é imbuída de um conteúdo moralizante?”.

Continuar lendo